segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

domingo, 7 de dezembro de 2008

Digital divulga livro "O Estado da Arte das Relações com Investidores"


A Digital Assessoria é responsável pela divulgação e foi responsável pela coordenação editorial do Livro do IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores), que foi lançado em 4 de dezembro de 2008: "O Estado da Arte das Relações com Investidores no Brasil”.

A obra – composta por sete capítulos - traz uma visão atual da área e da profissão de Relações com Investidores no Brasil ao mostrar as diversas visões de presidentes e ex-presidentes do Instituto e outros destacados profissionais do mercado. O último capítulo do livro - As Melhores Práticas de Relações com Investidores - é dedicado a apresentação de “cases” de sucessos de algumas companhias abertas.

O livro destaca os principais acontecimentos da história do mercado de capitais no Brasil e o funcionamento da área de Relações com Investidores nos últimos 10 anos, tudo sob o ponto de vista dos principais responsáveis pela construção dessa história. Também mostra as perspectivas para a profissão e o processo de comunicação com investidores e públicos estratégicos. O livro contou com o apoio da BMF&Bovespa, Itaú BBA, JP Morgan e PricewaterhouseCoopers.

A obra é a terceira lançada pela atual gestão e está em linha com a missão do IBRI de contribuir para o desenvolvimento de bibliografia no Brasil sobre o tema das Relações com Investidores. A produção do livro contou com a participação da Comissão de 10 anos do IBRI, além dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva.


Participaram do apoio editorial para o Livro pela Digital Assessoria: Rodney Vergili, Jennifer Almeida, Giovanna Zanaroli e Ana Carolina Escudeiro.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Digital prepara Coletiva de Imprensa para o Pronunciamento do CODIM

A Digital Assessoria foi a responsável pela preparação da Coletiva de Imprensa de divulgação de pronunciamento do CODIM (Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado).

O CODIM apresentou, no dia 27 de novembro de 2008, o Pronunciamento de Orientação N° 5, que propõe a adoção de melhores práticas para as Companhias Abertas, definindo regras claras e objetivas para elaboração de Ato ou Fato Relevante.
O Pronunciamento do CODIM N° 5 sobre Ato e Fato Relevante contou com a apresentação dos relatores Edison Garcia, da AMEC (Associação de Investidores no Mercado de Capitais) e Marcos Sanches, do IBRACON (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil), sobre o tema, e com o Coordenador da APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais), Haroldo Levy, que falou sobre o Comitê e os próximos Pronunciamentos.
O CODIM é uma iniciativa conjunta de entidades representativas do mercado de capitais e tem por função discutir e sugerir a utilização das melhores formas de divulgação de informações das companhias abertas para os seus mais diferentes usuários, por meio de Pronunciamentos de Orientação produzidos e disseminados no mercado por todas as entidades participantes direta ou indiretamente do Comitê e de apoios a outros documentos e/ou iniciativas que sirvam, também, para atingir os seus objetivos. A iniciativa objetiva a padronização das melhores práticas de divulgação e, portanto, tem como proposta ajudar no desenvolvimento do Mercado de Capitais brasileiro.
O Comitê tem a Coordenação de Geraldo Soares pelo IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) e Haroldo Levy Neto, pela APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais) e é composto por mais oito entidades de mercado – ABRASCA (Associação Brasileira das Companhias Abertas), ANBID (Associação Nacional dos Bancos de Investimentos), AMEC (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), ANCOR (Associação Nacional das Corretoras de Valores Câmbio e Mercadorias), BM&FBovespa, CFC (Conselho Federal de Contabilidade), IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) e IBRACON (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil), tendo ainda como membro observador a CVM (Comissão de Valores Mobiliários).
CODIM

COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO
(ABRASCA – AMEC – ANBID – ANCOR – APIMEC – BOVESPA – CFC - IBGC – IBRACON - IBRI)


PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 05, de 27 de Novembro de 2008.

EMENTA: ATO OU FATO RELEVANTE. ABRANGÊNCIA. ESCLARECIMENTOS DE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS. TRANSPARÊNCIA E BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. ADOÇÃO DE REGRAS PRUDENCIAIS. CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO DA CVM.


O Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado – CODIM, com base em sua competência, torna público que, após submeter a matéria em audiência pública, aprovou, por decisão de seus membros em reunião realizada no dia 23 de outubro de 2008, o presente Pronunciamento de Orientação, o que faz mediante os seguintes termos:

Conceituação
A divulgação do ato ou fato relevante é obrigação prevista na Lei 6.404/1976 (art. 157, §§ 4º e 5º) como dever de informar do administrador da companhia. Essa obrigação foi regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários (art. 8º, III e 22, § 1º, I, V e VI da Lei 6.385/1976), e detalhada na Instrução CVM 358/2002.
Assim, com o objetivo de orientar as companhias abertas quanto à correta e tempestiva utilização das ferramentas de comunicação disponíveis, e, principalmente, contribuir para a melhoria continua da qualidade da informação prestada, para evitar a prática de irregularidades como a divulgação incompleta, inadequada ou intempestiva de informações ao mercado, seguem alguns esclarecimentos que podem auxiliar a compreensão do que seja ato ou fato relevante.

Ato ou Fato Relevante
Conceito: Para fins deste Pronunciamento de Orientação e em consonância com a legislação em vigor e as instruções editadas pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM –, considera-se ato ou fato relevante qualquer decisão do(s) acionista(s) controlador(es), deliberação da assembléia geral, deliberação dos órgãos de administração da companhia ou qualquer outro ato ou fato de caráter político-administrativo, técnico, negocial ou econômico-financeiro, ocorridos ou relacionados aos seus negócios, que possam influir de modo ponderável na:
a) cotação dos valores mobiliários de emissão da Companhia;
b) decisão dos investidores de comprar, vender ou manter esses valores mobiliários;
c) decisão dos investidores de exercer quaisquer direitos inerentes à condição de titular de valores mobiliários emitidos pela Companhia ou a eles referenciados.
Todo ato ou fato relevante deve ser publicado em jornal de grande circulação utilizado habitualmente pela companhia, além de ser formalmente encaminhado à CVM, às bolsas de valores ou às entidades do mercado de balcão em que a companhia aberta negocia os seus valores mobiliários. Caso a divulgação seja feita de forma resumida, o ato ou fato relevante deve mencionar o endereço na rede mundial de computadores (internet) em que os investidores encontrarão a informação completa.

Comunicado ao Mercado
Conceito: Para fins deste Pronunciamento de Orientação, da legislação editada e pelas instruções emanadas da Comissão de Valores Mobiliários – CVM –, considera-se passível de expedição de Comunicado ao Mercado qualquer informação que não seja conceitualmente um Fato Relevante, mas que a administração da companhia aberta considere importante sua divulgação para todos os agentes do mercado de capitais.
A publicação de Comunicado ao Mercado é facultativa. Todavia, caso a companhia decida pela publicação, esta deverá ser feita preferencialmente no jornal habitualmente utilizado pela companhia.

Dos Objetivos
1. O propósito deste Pronunciamento de Orientação é o de contribuir para a melhor e mais eficiente divulgação das informações aos participantes do mercado de valores mobiliários nacional. Há também o objetivo de evitar a assimetria informacional, a divulgação seletiva ou fracionada e/ou a não-divulgação de informações relevantes, controlar eventuais “vazamentos” dos Fatos Relevantes, bem como coibir práticas não-eqüitativas e uso irregular de informações privilegiadas. Buscou-se, também, explicar exemplos de ato ou fato relevante, mitigando os riscos da ocorrência de descumprimento da Instrução da CVM que regula a matéria.

2. As companhias abertas devem preservar o direito à plena e tempestiva divulgação de informações para todas as pessoas com as quais se relacionam, tais como acionistas, investidores, credores, agentes de mercado, mídia, dentre outros, evitando assim que eventuais detentores de informações privilegiadas possam vir a utilizá-las em proveito próprio ou de terceiros.

3. Dada a responsabilidade legal do Diretor de Relações com Investidores em divulgar informações ao mercado sobre a companhia, esta deverá garantir mecanismos internos de modo que as informações sejam tempestivamente disponibilizadas ao Diretor de Relações com Investidores para tomar as providências quanto à sua divulgação ou não.

Da Abrangência do Conceito de Atos ou Fatos Relevantes

4. A CVM, com o objetivo de reduzir a influência de aspectos subjetivos ínsitos à interpretação do conceito de Ato ou Fato Relevante, fixado em sua Instrução, enumerou, de forma não exauriente, hipóteses em que é obrigatória a divulgação de “Fato Relevante”. É por essa razão que os administradores das companhias abertas devem fazer profunda reflexão quanto ao ato ou fato ocorrido e não se ater apenas à lista exemplificativa constante da Instrução da CVM ao avaliarem a necessidade de divulgação. Deverão, ainda, analisar em que modalidade de divulgação este ato ou fato melhor se enquadra – Fato Relevante ou Comunicado ao Mercado. Tal avaliação deve levar em conta que em muitas oportunidades uma situação que a companhia julga não ser relevante, o mercado acaba tratando como tal, o que reforça a necessidade de uma avaliação rigorosa.

5. Toda companhia aberta deve, nos termos de Instrução da CVM, inserir em sua “Política de Divulgação de Informações ao Mercado” instruções específicas sobre a divulgação de Ato ou Fato Relevante, bem como sobre a manutenção do sigilo relativo às informações relevantes ainda não divulgadas.

6. A adoção de práticas que visem à plena, ampla e tempestiva divulgação de Ato ou Fato Relevante proporciona maior credibilidade ao mercado de capitais, agrega valor à companhia e mitiga os riscos de propositura de ações de reparação civil e responsabilidade penal aos diretores e controladores de companhias abertas, além de constituir salvaguarda aos acionistas minoritários e outros investidores, que não têm acesso direto à administração da empresa.

Da Análise Objetiva dos Casos Concretos

7. Com o intuito de evitar a proliferação de publicações desnecessárias, os eventos relacionados com o Ato ou Fato Relevante devem ter o seu significado e sua importância analisados no contexto das atividades ordinárias e da dimensão da companhia e não isoladamente. Recomenda-se evitar a banalização das divulgações de Atos ou Fatos Relevantes, que pode prejudicar a qualidade da análise das referidas informações pelo mercado.

Da Responsabilidade e da Oportunidade de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes

8. Todas as informações sobre Ato ou Fato Relevante da Companhia devem ser centralizadas na pessoa do Diretor de Relações com Investidores. O DRI é o principal responsável perante a companhia pela divulgação e comunicação de Ato ou Fato Relevante, cabendo ainda aos acionistas controladores, diretores, membros dos conselhos de administração, fiscal e dos demais órgãos criados por disposição estatutária, a responsabilidade de comunicar ao DRI qualquer ato ou fato de que tenham conhecimento, para que esse realize a devida divulgação.

9. Se for verificada a ocorrência de oscilações atípicas na cotação, no preço ou na quantidade negociada dos valores mobiliários de emissão da companhia aberta, ou a eles referenciados, é de responsabilidade do DRI, nos termos de Instrução da CVM, inquirir às pessoas com acesso a atos ou fatos relevantes, com o objetivo de averiguar se estas têm conhecimento acerca de informações que devam ser divulgadas ao mercado. É também responsabilidade do DRI prestar informações, caso a CVM, a bolsa de valores ou a entidade do mercado de balcão organizado em que os valores mobiliários de emissão da companhia sejam admitidos à negociação venham a exigir esclarecimentos adicionais à comunicação e à divulgação de ato ou fato relevante.

10. Sempre que ocorrer um Ato ou Fato Relevante, a sua divulgação deverá ser imediata e simultânea a todos os mercados em que a companhia aberta tenha seus valores mobiliários negociados.

11. Para que um Fato Relevante seja divulgado não é necessário que a informação seja definitiva ou esteja formalizada, basta que não seja meramente especulativa ou mera intenção sem base em fatos concretos. Nessas hipóteses a sua divulgação deve ser feita à medida que as informações venham a ser produzidas, pois independentemente da efetiva conclusão, formalização ou definição do negócio jurídico que deu origem ao Fato Relevante, as informações devem ser disponibilizadas ao mercado como forma de evitar surpresas, mitigando o risco de vazamento de informações privilegiadas.

12. Quanto ao horário da divulgação, este deve se dar preferencialmente antes do início ou após o encerramento dos negócios nos mercados em que os valores mobiliários da companhia forem listados, prevalecendo o horário de funcionamento do mercado brasileiro em caso de incompatibilidade, podendo excepcionalmente, se assim exigirem as circunstâncias, tal divulgação se dar durante o pregão.

13. Cabe ao Diretor de Relações com Investidores avaliar criteriosamente a necessidade de solicitar à bolsa de valores ou mercado de balcão organizado a suspensão da negociação dos Valores Mobiliários da companhia, pelo tempo necessário à adequada disseminação do Ato ou Fato Relevante, caso seja imperativo que a sua divulgação ocorra durante o horário de negociação.

14. A divulgação do Ato ou Fato Relevante a ser veiculado em qualquer meio de comunicação, inclusive informação à imprensa, ou em reuniões de entidades de classe, investidores, analistas ou com público selecionado, no País ou no exterior deve se dar de maneira uniforme, acessível, tempestiva, ampla e concomitantemente a todo o mercado e públicos estratégicos.

15. Os Atos ou Fatos Relevantes podem, excepcionalmente, deixar de ser divulgados se os acionistas controladores ou os administradores da companhia entenderem que sua revelação porá em risco interesse legítimo da companhia. Entretanto, os acionistas controladores ou administradores ficam obrigados diretamente, ou por intermédio do Diretor de Relações com Investidores, a divulgar imediatamente o ato ou fato relevante na hipótese da informação escapar ao controle ou se ocorrer oscilação atípica na cotação, preço ou quantidade negociada dos Valores Mobiliários de emissão da companhia aberta ou a eles referenciados.

16. Na hipótese acima prevista, é recomendado aos Administradores e Acionistas Controladores da companhia submeter à CVM a sua decisão de, excepcionalmente, manter em sigilo Atos ou Fatos Relevantes cuja divulgação entenda configurar manifesto risco a legítimos interesses da companhia, cientes de que o requerimento de tratamento confidencial não os exime da responsabilidade pela divulgação do ato ou fato relevante.

17. É recomendável que as companhias abertas criem um Comitê de Divulgação e de monitoramento interno para facilitar o controle das informações privilegiadas, composto ao menos pelos executivos responsáveis pelas áreas de relações com investidores, financeira, jurídica e de comunicação, sem prejuízo dos demais profissionais que vierem a compor o mesmo.

18. O Comitê de Divulgação interna terá como diretrizes:
a) gerir a política de divulgação da companhia, sendo responsável pelo registro de acesso às informações privilegiadas, classificado-as de acordo com critérios que possam facilitar o seu monitoramento. Deverão ser adotados parâmetros, como o número de pessoas envolvidas e a participação, ou não, de colaboradores externos, dentre outros;
b) centralizar as informações relevantes da companhia, auxiliando o DRI na suas obrigações perante a CVM;
c) discutir e recomendar a divulgação ou não divulgação de Atos e Fatos relevantes e comunicados ao mercado, fundamentando sua recomendação.

Da Forma de Divulgação do Ato ou Fato Relevante

19. Toda e qualquer divulgação de Ato ou Fato Relevante deve ser feita obedecendo às seguintes diretrizes:
a) Ordem e Distribuição:
a.1) De forma a prover a imediata e simultânea disseminação da informação a todos os participantes do mercado, o ato ou fato relevante deve ser enviado à CVM, via sistema IPE, e à bolsa ou mercado de balcão organizado onde os valores mobiliários de emissão da companhia sejam negociados, devendo também ser incluído no site de relações com investidores e enviado, através de press release, para a lista de distribuição da companhia;
a.2) O ato ou fato relevante deve ser publicado em jornal de grande circulação utilizado habitualmente pela companhia.

b) Conteúdo e Linguagem:
b1) A divulgação deve ser feita em linguagem clara e objetiva, de modo que seu entendimento seja plenamente acessível a todos os seus destinatários.
b2) Deve conter toda e qualquer informação relevante aos negócios da companhia, que afetem os valores mobiliários de emissão da companhia aberta ou a eles referenciados.
b3) Caso seja utilizada a prerrogativa concedida pela CVM de divulgar o Ato ou Fato Relevante de forma resumida, a companhia deverá fornecer a melhor informação possível ao mercado, tanto qualitativa quanto quantitativa, devendo conter os elementos necessários a sua compreensão e deverá indicar nas publicações o(s) endereço(s) na Rede Mundial de Computadores (Internet) onde a informação completa deverá estar disponível a todos os públicos estratégicos em teor no mínimo idêntico àquele remetido à CVM e às bolsa(s) de valores e mercado(s) de balcão organizado, nos quais é admitida a negociação os valores mobiliários da companhia.
b4) O documento que será levado à publicação, ou divulgação ao mercado, receberá o título de FATO RELEVANTE, não obstante a Instrução da CVM disponha sobre a divulgação de atos e fatos relevantes;

20. Na hipótese da ocorrência de uma divulgação involuntária, ou vazamento de informação relativa à Ato ou Fato Relevante, que ainda não tenha sido divulgado no Brasil ou no exterior, deve ser feita a sua divulgação "imediata", “homogênea” e "simultânea".

Das Orientações Gerais de Conduta e das Regras de Prudência

21. Com o intuito de mitigar o risco de vazamento de informações privilegiadas a companhia deve limitar o número de porta-vozes autorizados e informar aos demais colaboradores envolvidos que estão expressamente proibidos de comentar este tipo de informação, bem como deverão abster-se de negociar títulos e valores mobiliários enquanto as mesmas não forem divulgadas ao mercado. Recomenda-se ainda a adesão às práticas do Manual Abrasca de Controle e Divulgação de Informações Relevantes, expressamente o seu Termo de Confidencialidade (item.I.5).

22. A Companhia deve registrar o teor das informações trocadas, com o objetivo de individualizar e resguardar responsabilidades dos remetentes e destinatários. Fica a critério da Companhia a escolha do instrumento de registro que melhor lhe convier.

23. A companhia deve firmar “Contratos de Confidencialidade” com todos os seus interlocutores, especialmente com os consultores, colaboradores, prestadores de serviços, internos ou externos, terceirizados ou não. Essa recomendação se faz presente sempre que esses, por conta dos serviços prestados, das consultas a si dirigidas, ou por qualquer outra razão, tenham acesso a informações que não são de conhecimento público.

Exemplo de Ato ou Fato Relevante - Esclarecimentos adicionais

24. A CVM, através de Instrução, elenca, dentre as hipóteses de Fato Relevante, a impetração de recuperação judicial, requerimento ou confissão de falência ou propositura de ação judicial, pela companhia ou contra ela, que possa vir a afetar a sua situação econômico-financeira.

25. Assim, recomenda-se que seja também objeto de publicação de Fato Relevante decisões administrativas, judiciais ou arbitrais, inclusive medidas de urgência (e.g. liminares, cautelares ou tutelas antecipadas), que contemplem matéria de mérito relevante, contrárias ou favoráveis à companhia aberta, mesmo quando proferidas em primeira instância ou que admitam recurso, mas que possam afetar a situação econômico-financeira da companhia.

26. Também deve ser considerada informação sujeita à publicação de Fato Relevante, quando decisão judicial de mérito, liminar ou de antecipação de tutela judicial for proferida em qualquer instância ou sentença arbitral que altere, significativamente, a base acionária da companhia.

27. Deve constar do texto do Fato Relevante a existência de condição (suspensiva ou resolutiva) sobre a informação divulgada, especialmente se pendente aprovação de agentes públicos ou privados.

São Paulo, 27 de Novembro de 2008.

Geraldo Soares Haroldo Reginaldo Levy Neto
Coordenadores

Assessoria de Comunicação IBRI – Instituto Brasileiro de Relações com Investidores – Digital Assessoria Comunicação Integrada

Rodney Vergili / Jennifer Almeida / Bruna Prandina

(11) 5081-6064 / 5579-2918

rodney@digitalassessoria.com.br, jennifer@digitalassessoria.com.br, bruna@digitalassessoria.com.br

sábado, 22 de novembro de 2008

Digital participa do livro "O Estado da Arte das Relações com Investidores no Brasil"


A Digital Assessoria Comunicação Integrada participa do apoio editorial para a produção do Livro "O Estado da Arte das Relações com Investidores no Brasil" a ser publicado pelo IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores).

Participam do Apoio Editorial pela Digital Assessoria: Rodney Vergili, Jennifer Almeida, Giovanna Zanaroli e Ana Carolina Escudeiro.

O livro será lançado no próximo dia 04/12/2008.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Jennifer Almeida participa do Brazil Day em Nova York


A jornalista Jennifer Almeida, coordenadora da Digital, esteve durante o mês de outubro de 2008 nos Estados Unidos para participar da Assessoria de Comunicação do Brazil Day (que reuniu 21 companhias brasileiras com ações em Bolsa em Nova York no dia 28/10/2008) na sede da Bloomberg Television. Jennifer Almeida realizou também entrevista especial com Paulo Nogueira Batista, diretor-executivo do FMI (Fundo Monetário Internacional).
Foto: Jennifer Almeida na sede do FMI em Washington, DC.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Ricardo Florence do IBRI concede entrevista para TV Agência Estado


Ricardo Florence, vice-presidente do IBRI -Instituto Brasileiro de Relações com Investidores, concedeu entrevista para a jornalista Leticia Bragaglia da TV da Agência Estado.
Jennifer Almeida e Rodney Vergili, jornalistas da Digital Assessoria, acompanharam a entrevista, ocorrida no estúdio da Agência Estado em São Paulo (SP).
Foto: Jennifer Almeida

Digital divulga 3º Prêmio Imprensa de Educação ao Investidor

A Digital Assessoria divulga a abertura das inscrições para 3º Prêmio Imprensa de Educação ao Investidor
São Paulo, 3 de novembro de 2008 - O Comitê Consultivo de Educação (Comitê de Educação), instituído pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e integrado pela ABRASCA, ANBID, ANDIMA, APIMEC, BM&FBOVESPA, IBRI e INI, anuncia o lançamento da terceira edição do PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR. Este ano, os primeiros colocados de cada categoria receberão, além de um diploma, prêmios em dinheiro, no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), em cada uma das duas categorias:· Jornal – matérias publicadas em jornais tiragem nacional, regional ou local.· Revista – trabalhos publicados em revistas de tiragem nacional, regional ou local.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até às 20h (horário de Brasília) do dia 15 de dezembro de 2008, por meio da página do Comitê de Educação, no site da CVM: www.comitedeeducacao.cvm.gov.br .

São elegíveis trabalhos publicados em português e enviados, dentro do prazo de inscrição, em arquivos eletrônicos em formato PDF, com tamanho máximo de 1MB, por meio do formulário próprio disponível na página do Comitê Educação.

Criado com o objetivo de distinguir e estimular reportagens de conteúdo educacional que informem e orientem o leitor, de forma didática, quanto a características, funções ou operações do mercado de capitais, o Prêmio Imprensa de Educação ao Investidor valoriza os profissionais da Imprensa, geral ou especializada em economia, a qual desempenha um papel fundamental na formação de investidores mais conscientes dos riscos e oportunidades desse mercado.

O Comitê Consultivo de Educação tem como um dos objetivos principais o de propor e apoiar o desenvolvimento de projetos que contribuam para promover melhores padrões de educação financeira da população, visando, assim, ao desenvolvimento do mercado de valores mobiliários. Além do apoio recíproco às iniciativas de cada instituição, o Comitê tem realizado, desde seu lançamento em 2006, diversas ações conjuntas, voltadas para diferentes públicos, como os jornalistas, professores universitários (Programa TOP), membros de carreiras jurídicas e investidores em geral.

A íntegra do Regulamento e outras orientações sobre o 3º PRÊMIO IMPRENSA estão disponíveis na página do Comitê Consultivo de Educação, no site da CVM: www.comitedeeducacao.cvm.gov.br . No mesmo local, podem ser obtidas informações sobre outras iniciativas do Comitê.

Assessoria de Comunicação do IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) – http://www.ibri.com.brDigital Assessoria Comunicação IntegradaRodney Vergili e Giovanna Zanaroli

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Rodney Vergili concede entrevista

Rodney Vergili, jornalista da Digital Assessoria, concede entrevista para Marina da Silva Neves (Estudante de Jornalismo da UNIP) para o Projeto Institucional de Comunicação sobre a influência da mídia durante as eleições.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Livro de Rodney Vergili à venda na Livraria Virtual do IBRI

O IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) disponibilizou para venda em sua Livraria Virtual o livro de Ricardo Humberto Rocha e Rodney Vergili (jornalista da Digital Assessoria).
Confira:


http://www.ibri.com.br/livraria/detalhe.asp?id=40



Como Esticar Seu DinheiroRicardo Humberto Rocha • Rodney Vergili


Realizar os sonhos de consumo e de independência financeira não é uma tarefa simples ou fácil. Mas pode se tornar uma realidade, basta você querer. Independente da carreira escolhida, saber lidar bem com seu dinheiro é uma necessidade. A complexidade do mundo financeiro afasta muitas vezes os indivíduos de um importante e constante aprendizado: a educação financeira. Vencer essa barreira faz com que o mundo das finanças possa ser considerado algo muito interessante e prazeroso.
Para Ricardo Humberto Rocha e Rodney Vergili, o indivíduo com sólida formação em educação financeira torna-se protagonista de suas decisões, entende melhor o contexto da globalização, vota melhor, assume suas responsabilidades como cidadão e é mais crítico na cobrança de uma sociedade comprometida com a responsabilidade social e ambiental. Ricardo e Rodney ensinam neste livro que a educação financeira é a base para uma vida mais digna, responsável e feliz.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Digital Assessoria promove palestra sobre Mercado de Capitais

Assessor da Diretoria Executiva do IBRI realiza exposição sobre o mercado de capitais brasileiro

Luiz Roberto Cardoso, assessor da Diretoria Executiva do IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores), realizou palestra interativa com os jornalistas da Digital Assessoria Comunicação Integrada, no dia 09 de outubro de 2008, na sede da Digital. Na ocasião, Luiz Roberto explicou o caminho que as empresas devem seguir quando optam por se tornarem companhias abertas e a função dos mercados futuros. “As companhias e investidores que desejam fazer parte do mercado de capitais devem buscar apoio nas entidades do mercado, assim como coletar o máximo de informações”, ressaltou Luiz Roberto Cardoso durante a exposição. A palestra também contou com a apresentação do papel das entidades no mercado de capitais brasileiro.

Digital: Relatório Anual do IBRI está entre os finalistas do 10º Prêmio ABRASCA

Relatório Anual do IBRI entre os finalistas do 10º Prêmio ABRASCA

O Relatório Anual 2007 do IBRI – Instituto Brasileiro de Relações com Investidores - está entre os cinco finalistas para receber o prêmio de Melhor Relatório Anual da ABRASCA na categoria “Organizações Não Empresariais”. A 10ª edição do prêmio acontece, no dia 16 de outubro de 2008, das 10:30 às 13:30, no auditório da Bovespa (Rua XV de Novembro, 275, 1º andar, São Paulo - SP). Os jornalistas Rodney Vergili, Jennifer Almeida, Giovana Ottenbreit e Giovanna Zanaroli (equipe Digital) participaram da produção do Relatório Anual do IBRI.

Digital divulga Troféu Transparência





Os jornalistas Ludmilla Gutierrez, Jennifer Almeida e Rodney Vergili da Digital Assessoria-Comunicação Integrada e Lucy Sousa, presidente da APIMEC São Paulo, no jantar do Prêmio Transparência ANEFAC -FIPECAFI - SERASA, que aconteceu na noite de 25 de setembro de 2008, no Rosa Rosarum, em São Paulo (SP).


segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Rodney Vergili faz palestra no 17º Curso de Introdução ao Mercado de Capitais


Rodney Vergili, jornalista da Digital Assessoria Comunicação Integrada, faz palestra sobre os Meios de Comunicação e o Mercado de Capitais, na sede da APIMEC SP (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais), em 16 de setembro de 2008, em São Paulo (SP).
Ao lado, anúncio na Gazeta Mercantil de 03/09/2008, página B12.

Jornal do Trânsito menciona Digital Assessoria







O Jornal do Trânsito menciona -de forma positiva- o trabalho desenvolvido pela Digital Assessoria Comunicação Integrada durante a 14ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, organizada pela AEAMESP (Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô), entre 2 e 5 de setembro de 2008, em São Paulo (SP).

domingo, 14 de setembro de 2008

Revista APIMEC publica anúncio com citação da Digital







Revista APIMEC publica anúncio com logo da Digital como Assessoria de Imprensa do 20º Congresso APIMEC, que ocorreu de 20 a 22 de agosto de 2008, no Hotel Windsor Plaza, no Rio de Janeiro (RJ).



Digital faz Assessoria de Comunicação para o 20º Congresso APIMEC




A Digital foi a responsável pela Assessoria de Imprensa
do 20º Congresso APIMEC, realizado no Hotel Windsor Plaza, no Rio de Janeiro, de 20 a 22 de agosto de 2008. A Assessoria foi representada por Rodney Vergili, Fernanda Sforcin, Jennifer Almeida e Jeane Morais. Estiveram presentes 45 jornalistas dos mais importantes meios de comunicação, que produziram 167 matérias sobre o Evento.


Foto: Álvaro Bandeira concede entrevista ao jornalista Elson Liper, da Rádio CBN, em 20 de agosto de 2008. A entrevista foi acompanhada por Rodney Vergili, da Digital Assessoria Comunicação Integrada.
Foto de Fernanda Sforcin


Ouça a entrevista de Álvaro Bandeira, Presidente da APIMEC Nacional, ao jornalista Elson Liper, da Rádio CBN, durante a abertura do 20° Congresso da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais, no dia 20 de agosto de 2008, no Windsor Barra Hotel, no Rio de Janeiro.
Link:
cbn.globoradio.globo.com/cbn/wma/player_gradio.asp


domingo, 31 de agosto de 2008

Rodney Vergili concede entrevista para TCC da Metodista



Patricia Santana, estudante de Jornalismo da Metodista, entrevista Rodney Vergili, da Digital Assessoria Comunicação Integrada, para o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) de Graduação em Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo.
O projeto consiste na elaboração de um livro sobre os "Desafios entre a Imprensa e as empresas listadas no Novo Mercado da Bovespa".
O livro terá depoimentos de jornalistas, profissionais do mercado de capitais e profissionais de comunicação.


sábado, 16 de agosto de 2008

Rodney Vergili da Digital é indicado para o Prêmio APIMEC

A APIMEC SP (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais) dá inicio à Segunda Fase do Prêmio Apimec 2007, categoria “Profissional de Imprensa”, que tem como objetivo reconhecer os profissionais que desenvolveram relevantes trabalhos ou contribuição em favor do mercado financeiro ou de capitais.

A partir de voto direto, os associados da APIMEC SP escolhem os profissionais de imprensa de destaque em São Paulo, pelo reconhecimento de seus trabalhos junto à cobertura jornalística do mercado financeiro e de capitais e/ou por suas contribuições ao desenvolvimento desses mercados.

Os profissionais que estão concorrendo ao Prêmio APIMEC 2007, categoria “Profissional de Imprensa” são: Alessandra Taraborelli (Agência Estado – Broadcast), Graziella Valenti (Valor Econômico), Mara Luquet (CBN), Nelson Niero (Valor Econômico), Roberto Muller (Razão Contábil), Rodney Vergili (Jornalista da Digital Assessoria Comunicação Integrada) e Simone Azevedo (Capital Aberto). O Prêmio APIMEC 2007 será entregue no mês de setembro de 2008.

domingo, 27 de julho de 2008

Digital apóia divulgação do 8º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade

A Digital -Assessoria de Comunicação da FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras)- apoiou na divulgação do 8º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e do 5º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. Os Congressos ocorreram dias 24 e 25 de julho de 2008, na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, na Cidade Universitária, em São Paulo (SP). Os jornalistas Ludmilla Gutierrez e Rodney Vergili estiveram presentes e colaboraram na divulgação do evento.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Digital Assessoria no jornal Valor Econômico


A Digital é citada em anúncio no jornal Valor Econômico como a Assessoria de Imprensa do 20º Congresso APIMEC, que ocorre de 20 a 22 de agosto de 2008, no Rio de Janeiro (RJ).

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Rodney Vergili realiza palestra para Missão da Bolsa de Valores e Derivativos de Angola

















Rodney Vergili, diretor da Digital Assessoria Comunicação Integrada, realizou palestra na sede da APIMEC SP (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais), em São Paulo, sobre a "Relação dos Meios de Comunicação com o Mercado de Capitais" para representantes da BDVA (Bolsa de Valores e Derivativos de Angola).
O Mercado de Capitais em Angola está se instalando e já possui a CMC (Comissão de Mercado de Capitais) aprovada pelas autoridades e órgãos competentes e agora está em implantação a BVDA (Bolsa de Valores e Derivativos de Angola), que está pronta fisicamente e está terminando a sua implantação de sistemas. Já conta também com o IFMC (Instituto de Formação de Mercado de Capitais), que está cumprindo o seu papel de formar profissionais, divulgar o mercado entre as empresas que tem interesse em abrir capital e informar aos futuros investidores por meio de palestras nas universidades, empresas e na sede da BVDA os mecanismos do mercado de capitais. Todo esse processo tem passado pelo mercado de capitais brasileiro, pois Antonio Cruz Lima, presidente da CMC, determinou que o modelo a ser seguido seria o do mercado de capitais brasileiro. O programa de treinamento no Brasil objetiva formar líderes que disseminarão a cultura do mercado de capitais em Angola. Os profissionais da BDVA (Bolsa de Valores e Derivativos de Angola) estiveram no Brasil de 12 a 27 de julho de 2008 dentro do programa de treinamento com visitas a instituições financeiras, entidades de classe, BM&F Bovespa, CVM (Comissão de Valores Mobiliários), BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), bem como participaram de programa de treinamento com palestras ministradas por profissionais do mercado financeiro e de capitais do Brasil e de visitas a empresas de capital aberto. Todas as iniciativas são por conta da CMC, que firmou com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), em dezembro de 2007, protocolo de intenção e cooperação, para possibilitar o recebimento de técnicos da CMC e receber indicações de organismos internacionais, tais como IOSCO (International Organization of Securities Commissions).


Nas fotos: Rodney Vergili (Digital Assessoria) realiza palestra para Técnicos da Bolsa de Valores e Derivativos de Angola.
Fotos: Fernanda Sforcin

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Digital é a Assessoria de Imprensa do www.congressoapimec2008.com.br



Confira Anúncio na Revista Página 22 sobre o 20° Congresso APIMEC - http://www.congressoapimec2008.com.br/ com citação para a Digital Assessoria Comunicação Integrada como Assessoria de Imprensa do Evento.

Veja o link


http://bp2.blogger.com/_9Uc_KcJXYKw/SHuaUfaczpI/AAAAAAAACiw/1dv8LezrP3k/s1600-h/Revista+Pagina+22+-+IBRI+-+Julho+de+2008+-+2.jpg

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Assessoria da FIPECAFI participa do 35º Prêmio Melhores & Maiores da Revista Exame


O Professor Welington Rocha representou a FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) na solenidade de entrega do Prêmio "Melhores & Maiores" da Revista Exame em 07/07/2008. A FIPECAFI é a responsável pela análise de balanços dos concorrentes ao Prêmio que chegou à sua 35ª Edição em 2008.

Fernanda Sforcin, Ludmilla Gutierrez, Jennifer Almeida e Rodney Vergili da Assessoria de Comunicação da FIPECAFI participaram do evento.

terça-feira, 1 de julho de 2008

Entrevista à Bloomberg Television


Entrevista de Lucy Sousa, presidente da APIMEC SP (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais), à jornalista Flávia Lima nos estúdios da Bloomberg Television em São Paulo. A entrevista foi acompanhada pela jornalista Fernanda Sforcin.
Legenda da esquerda para a direita: Jornalista Fernanda Sforcin da Digital Assessoria Comunicação Integrada, Lucy Sousa, Presidente da APIMEC SP e a apresentadora Flávia Lima.

domingo, 18 de maio de 2008

Entrevista ao SBT - Escritório da Digital Assessoria Comunicação Integrada


Foto da entrevista do Prof. Luiz Jurandir da FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) para o jornalista e apresentador Luiz Bacci da TV SBT Brasil no escritório da Digital Assessoria Comunicação Integrada - sábado - 17/05/2008
Foto: Ludmilla Gutierrez

sábado, 19 de abril de 2008

Digital divulga novo Pronunciamento do CODIM

CODIM divulga Pronunciamento de Orientação sobre Guidance



São Paulo, 17 de abril de 2008 - O CODIM – Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado – apresentou Pronunciamento de Orientação sobre "Guidance", no dia 17 de abril de 2008. Os relatores foram Geraldo Soares (representante do IBRI) e Edna Holanda (representante da Bovespa). As melhores práticas de “Guidance” devem ser utilizadas pelas companhias abertas com o objetivo de aproximar a realidade experimentada por elas à perspectiva do mercado, mas é preciso ter prudência para não gerar expectativas indevidas nos investidores, bem como responsabilização junto a órgãos reguladores. O CODIM é uma iniciativa conjunta de entidades representativas do mercado de capitais e tem por função discutir e sugerir a utilização das melhores formas de divulgação de informações das companhias abertas para os seus mais diferentes usuários, por meio de Pronunciamentos de Orientação produzidos e disseminados no mercado por todas as entidades participantes direta ou indiretamente do Comitê e de apoios a outros documentos e/ou iniciativas que sirvam, também, para atingir os seus objetivos. A iniciativa objetiva a padronização das melhores práticas de divulgação e, portanto, tem como proposta ajudar no desenvolvimento do Mercado de Capitais brasileiro. O Comitê tem a Coordenação de Geraldo Soares pelo IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) e Haroldo Levy Neto, pela APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais), é composto por mais oito entidades de mercado – ABRASCA (Associação Brasileira das Companhias Abertas), ANBID (Associação Nacional dos Bancos de Investimentos), AMEC (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), ANCOR (Associação Nacional das Corretoras de Valores Câmbio e Mercadorias), BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo), CFC (Conselho Federal de Contabilidade), IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) e IBRACON (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil), tendo ainda como membro observador a CVM (Comissão de Valores Mobiliários). CODIMCOMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO(ABRASCA – AMEC – ANBID – ANCOR – APIMEC – BOVESPA – CFC – IBGC – IBRACON – IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 04, de 17 de ABRIL de 2008. EMENTA: MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE O DESEMPENHO FUTURO DA COMPANHIA – GUIDANCE. NECESSIDADE DE PADRONIZAÇÃO DE DIVULGAÇÃO, COMO FORMA DE CONTRIBUIR PARA A ADOÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES E GOVERNANÇA CORPORATIVA. O Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado – CODIM –, com base em sua competência, torna público que, após submeter a matéria à audiência pública, aprovou, por decisão de seus membros em reunião realizada no dia 03 de abril de 2008, o presente Pronunciamento de Orientação, o que faz mediante os seguintes termos: Conceituação Neste instrumento os termos a seguir devem ser entendidos como:website: o endereço eletrônico da companhia ou entidade na internet; internet: a rede mundial de computadores; financial releases: informações financeiras divulgadas na mídia e prestadas pelas companhias; EBITDA: lucro líquido antes do imposto de renda e da contribuição social, do resultado financeiro líquido, das despesas de depreciação e amortização (sem ajustes), e do resultado não operacional; companhia: aquela constituída sob a forma de ações, nos termos da Lei 6.404/76. A palavra inglesa guidance não encontra semelhante na língua portuguesa e sua tradução literal mais próxima seria “orientação”. Na língua inglesa, mais especificamente nos mercados financeiro e de capitais norte-americanos, a palavra guidance é usada como uma abreviação para earnings guidance, que consiste em orientação sobre o resultado financeiro, muitas vezes divulgada através do indicador earnings per share (lucro por ação). Neste pronunciamento, guidance deverá ser compreendido como: “qualquer informação prospectiva de natureza quantitativa ou qualitativa, fornecida pela companhia, sobre seu desempenho futuro”. A prática do guidance é utilizada pelas companhias com o objetivo de: a) aproximar a realidade experimentada por elas à expectativa do mercado; e, b) orientar públicos específicos, tais como acionistas, investidores, profissionais da mídia, analistas e outros profissionais de investimentos, dentre outros. O uso do guidance deve ser revestido de significativa prudência, de modo a não gerar expectativas indevidas dos investidores, bem como responsabilização junto a órgãos reguladores. Sua utilização por parte das empresas é opcional mas, uma vez utilizado, estas deverão sempre assegurar a observância de eqüidade, consistência e freqüência. As diretrizes a seguir foram elaboradas com o objetivo de orientar as companhias que optarem por adotar essa prática de governança corporativa de forma a atingir o fim precípuo da informação de qualidade. 1. Política de Guidance a) A companhia deve informar ao mercado que pretende divulgar seu guidance, sendo que deverá explicitar, pelo menos: i) a freqüência a ser adotada, se anual, trimestral e/ou outra periodicidade; ii) qual tipo de guidance será fornecido habitualmente, qualitativo e/ou quantitativo; iii) o período contemplado nas informações sobre o desempenho futuro apresentadas; iv) se há restrição quanto à divulgação de guidance em determinados momentos, como por exemplo, no período de silêncio que antecede a divulgação de resultados trimestrais/anual ou de fato relevante; v) qual o prazo dessa restrição; b) Essa Política de Guidance deverá ser incluída na Política de Divulgação de Ato e Fato Relevante adotada pela companhia, pois, conforme previsto na regulamentação vigente, a divulgação ou a modificação de projeções divulgadas pela companhia classifica-se como Fato Relevante. c) A política adotada pela companhia deverá ser amplamente divulgada ao mercado, pelo menos quando da primeira comunicação do guidance da empresa, devendo ser atualizada sempre que venha a sofrer alteração de quaisquer dos itens descritos acima. 2. Eqüidade a) A companhia deverá divulgar sua Política de Guidance, o seu guidance, bem como todas as atualizações, de forma ampla, equânime e simultânea para todos os agentes do mercado, devendo, para tanto, disponibilizar tais informações utilizando os meios previstos na regulamentação vigente tais como sistema IPE – Informações Periódicas e Eventuais e pelo Sistema IAN, DFP, ITR. Outras ferramentas adicionais que possam ajudar na disseminação dessas informações também devem ser utilizadas, tais como, entre outras, o website da companhia e financial releases, b) Para a companhia que possui valores mobiliários emitidos em outros países, essas informações deverão igualmente ser comunicadas aos órgãos reguladores locais, além de utilizar os demais meios de comunicação disponíveis. c) Caso alguma informação relevante sobre a perspectiva da companhia seja divulgada sem a devida eqüidade, caberá ao responsável pela área de Relações com Investidores garantir a sua imediata disseminação a todos os agentes do mercado através das ferramentas acima mencionadas. 3. Forma e Consistência a) A companhia deverá manter os parâmetros utilizados para divulgar as perspectivas futuras com o objetivo de dar consistência a informação e facilitar o entendimento dos participantes do mercado. b) O guidance deverá ser bem fundamentado, contendo as premissas que o originaram, conforme exigido pela regulamentação vigente, abrangendo questões de mercado, macro-econômicas, regulatórias e setoriais de cada companhia, sempre utilizando fonte de informações idôneas para se resguardar. c) A companhia deverá inserir no comunicado em que divulgar o guidance uma advertência de que o guidance contém declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas em crenças e premissas da administração e em informações disponíveis no mercado naquele momento. Os agentes do mercado deverão ser alertados que os resultados futuros podem ser substancialmente diferentes daqueles expressos no guidance. 4. Freqüência a) A companhia deverá apresentar, de acordo com a regulamentação vigente, junto às demonstrações financeiras trimestrais, o confronto entre o realizado e o projetado indicando os motivos que levaram ao desvio, caso houver. b) Objetivando e privilegiando a análise de longo prazo, o guidance deve compreender, sempre que possível, um período de, no mínimo, 12 meses, devendo a companhia realizar revisões sempre que achar necessário. c) Caso tenha que alterar a freqüência de divulgação ou do período projetado para o guidance, a companhia deve justificar esta mudança. 5. Alteração a) Quando do acontecimento de fatos ou eventos extraordinários, e que impactem de modo direto nas atividades ou resultados da companhia, esta deverá dar plena publicidade ao fato, por meio de divulgação de fato relevante, corrigindo as premissas do guidance, explicitando os principais motivos para a alteração do guidance, conforme exigência da regulamentação vigente. b) A companhia deve apresentar correções de seu guidance em qualquer momento que notar divergência significativa entre as informações sobre o desempenho futuro apresentadas e a realidade atual da companhia, equalizando assim as expectativas de todos os usuários das informações (guidance negativo), de acordo com o previsto na regulamentação vigente. 6. Responsabilidades na divulgação de informações ao mercado a) A Administração e a Área de Relações com Investidores devem, ao divulgar guidance, estar cientes da responsabilidade legal da Administração, conforme previsto no artigo 157, parágrafo 4 da Lei 6404/76, bem como das implicações quanto à reputação, imagem e credibilidade da companhia. A administração responde perante a companhia e os acionistas pelos danos que lhes causarem decorrente da divulgação de informações sobre o desempenho futuro não consistente com o desempenho efetivamente atingidos pela companhia, salvo na ocorrência de fatores que não poderiam ser razoavelmente esperados , controlados ou previstos pela companhia. b) A responsabilidade pode ser maior ainda quando se tratar de projeção financeira, seja um fluxo de caixa ou uma informação pontual (tal como Lucro por Ação - LPA e EBITDA), em função das implicações legais que tais projeções podem acarretar à companhia, que pode ser questionada pelos órgãos reguladores em que seus valores mobiliários estão listados. A companhia que resolver fornecer essas informações deverá efetuar uma análise criteriosa dos benefícios dessa divulgação. c) A companhia deve ter cuidado especial ao divulgar antecipadamente informações sobre seu desempenho ainda não auditadas ou revisadas por auditores independentes. São Paulo, 17 de Abril de 2008. Geraldo Soares Haroldo Reginaldo Levy Neto Assessoria de Comunicação IBRI/ Digital Assessoria Comunicação IntegradaRodney Vergili e Jennifer Almeida - tels.: (11) 5081 – 6064 / 5579-2918 e-mails: imprensa@ibri.com.br / jennifer@digitalassessoria.com.br

domingo, 30 de março de 2008

Livro - Rodney Vergili - Coleção ExpoMoney

http://www.paranashop.com.br/colunas/colunas_notas.php?id=18553


Lazer e CulturaColeção de livros sobre educação financeira será apresentada durante Expo Money
Redação, com colaboradores [25-03-2008]
Nos dias 16 e 17 de abril acontece em Curitiba a Expo Money, maior evento de educação financeira e de investimentos da América Latina. Para este ano a expectativa é que cerca de cinco mil pessoas participem das palestras e exposições gratuitas.
E com o principal objetivo de levar conhecimento e aprendizado que orientem sobre a importância do planejamento financeiro pessoal e dos investimentos, a editora Campus-Elsevier e organizadores da Expo Money desenvolveram uma coleção de livros voltada a quem quer iniciar ou se aprimorar no mundo financeiro.
A série de livros tem coordenação do consultor Gustavo Cerbasi (autor de best-sellers sobre o tema) e de Robert Dannenberg, presidente da TradeNetwork, organizadora da Expo Money. Ao todo, são 15 obras, sendo que 10 já foram lançadas e os demais lançamentos acontecerão em breve. Uma das novidades é o livro Como chegar ao seu primeiro milhão, do casal de investidores curitibanos Marco Aurélio e Regina Falcone que será lançado na edição do evento em Curitiba.
O livro é o resultado de diversas tentativas dos autores, quase sempre malsucedidas, de convencerem os amigos sobre a importância de poupar e saber investir para alcançar a independência financeira. Na obra o casal retrata a história e a experiência que tiveram até para construir uma trajetória de sucesso nas finanças.
Confira um breve resumo de cada um dos livros já lançados da coleção:
Bolsa para Mulheres - A Experiência de um Clube de Investimentos em Ações, de Sandra Blanco: a autora fala sobre as opções de investimento em ações, comprando e vendendo diretamente por uma corretora ou homebroker, investindo em fundos de ações ou ainda participando de um clube de investimento. Em alguns casos, por exemplo, ela explica que com o valor equivalente a uma peça de roupa ou a um tratamento estético é possível iniciar o investimento. Sandra também relata a experiência do Clube Mulherinvest.
A Dieta do Bolso, de Eliana Bussinger: explica de maneira simples com as duas saúdes - do corpo e do bolso - têm semelhanças incríveis. Com leveza e humor a autora trata de dois grandes conflitos existenciais: comer x emagrecer e desfrutar x poupar.
500 Perguntas (e respostas) Avançadas de Finanças, de Hugo Azevedo: o livro dá uma visão generalista, mas direta e objetiva sobre questionamentos referentes aos campos de Finanças, como conceitos básicos de mercados, estatística e renda fixa, investimentos em renda variável, análise técnica, avaliação de performance de fundos de investimento, derivativos e gerenciamento de risco. É um convite para os profissionais de mercado.
500 Perguntas (e respostas) Básicas de Finanças, de Hugo Azevedo: neste outro livro, o autor trata de conceitos básicos da economia para os que se interessam em aprender sobre Finanças, em especial sobre investimentos.
Educação Financeira: Como educar seu filho, de Cássia D´Aquino: as bases de nossa relação com o dinheiro foram construídas até por volta dos cinco anos de idade. Por isso, a obra apresenta o passo a passo do processo de educar as crianças para lidar com dinheiro, abrangendo quatro grandes áreas: como ensinar a ganhar, poupar, gastar e doar.
Como Esticar Seu Dinheiro, de Ricardo Humberto Rocha e Rodney Vergili: os autores ensinam nesse livro que a educação financeira é a base para uma vida mais digna, responsável e feliz. Para eles, realizar os sonhos de consumo e de independência financeira não é uma tarefa simples, mas pode se tornar uma realidade.
O Sovina e o Perdulário, de Raphael Cordeiro: o leitor poderá acompanhar a história de dois amigos - o Sovina e o Perdulário - que mesmo tendo perfis opostos, buscam a ajuda de um professor para melhorar suas finanças pessoais. No livro, são abordados aspectos como ciclo financeiro, com os passos para chegar à independência financeira, além de estratégias comportamentais.
A Árvore do Dinheiro, de Jurandir Sell Macedo Jr.: ter uma árvore de dinheiro com certeza é o sonho de muita gente. Mas será que não dá para cultivar dinheiro? No livro estão dicas estimulantes e informações valiosas, desenvolvidas em quase duas décadas de estudos, que são capazes de facilitar o caminho que leva até a sonhada independência financeira. Segundo o autor, são pequenas atitudes, poupando o que é desperdiçado, que podem fazer com que qualquer pessoa tenha uma fonte inesgotável de renda, uma vida feliz e um futuro tranqüilo.
As Armadilhas do Consumo, de Márcia Tolotti: este livro, baseado nos ensinamentos da economia e da psicanálise, aborda a questão do dinheiro e da falta dele, originada, principalmente, do consumo excessivo. Um dos tópicos é justamente o que faz com que as pessoas esqueçam suas reais condições financeiras e endividem-se.
Investindo em Opções, de Maurício Bastter Hissa: o leitor aprenderá como entrar no mercado, montar uma boa carteira de ações e remunerá-la com opções e, sobretudo, descobrirá como se proteger gerenciando adequadamente seu capital e controlando o seu risco.
Serviço:
3ª Expo Money Curitiba
Data: 16 e 17 de abril - 13 às 22h
Expo Curitiba - R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Mossunguê - Curitiba - PR (Anexo à Universidade Positivo)Mais informações e inscrições: http://www.expomoney.com.br/08_cwb/

sexta-feira, 21 de março de 2008

Artigo Rodney Vergili - Portal de Administração

http://administracao.memes.com.br/jportal/portal.jsf?post=3521


Início / Mercado de Capitais (apoio: IBRI) / Relações com Investidores

-->
Novos tempos para a Comunicação no Mercado de Capitais
27/01/2008
(*) Rodney Vergili
O mercado de capitais no Brasil vive novos tempos. As empresas procuram abrir o capital. O país caminha para estar na lista de países com credibilidade para receber investimentos. São TEMPOS em que palavras como T (transparência), E (equidade), M (meritocracia), P (prestação de contas), O (Organização) e S (sustentabilidade) passam a serem básicas em termos de normas de conduta e melhores práticas. A comunicação financeira está cada vez mais valorizada. Ativos intangíveis -como marca, reputação, credibilidade- passam a ser diferenciais importantes nos negócios. São cada vez mais freqüentes as fusões e aquisições realizadas com base no valor das empresas em Bolsa, ou seja, as compras são realizadas por meio de entrega de ações (valorizadas), e não de dinheiro vivo. As companhias que abrem o capital e suas portas de comunicação com seus públicos estratégicos (clientes, colaboradores, investidores, fornecedores, imprensa, governo...) têm suas marcas reconhecidas e começam a adquirir as firmas pouco adaptadas aos novos tempos.Os lançamentos recentes de papéis na Bolsa de Valores diferenciaram as companhias também pelo grau de transparência e profissionalização. As empresas que realizaram trabalho com perspectiva de longo prazo estão sendo reconhecidas. Para isso, contrataram equipe de atendimento aos investidores e de relacionamento com a imprensa especializada -antes do lançamento- e mantêm o trabalho de interação com o mercado no dia-a-dia.A falta de uma estrutura de atendimento aos públicos estratégicos passa a mensagem para o mercado de que a empresa buscou se capitalizar, mas que era apenas uma operação especulativa.A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) tem feito papel relevante para manter a credibilidade do mercado de capitais ao punir de maneira exemplar as companhias, dirigentes e intermediários que desrespeitam o período de silêncio na época dos lançamentos de ações e também as companhias sem compromisso de longo prazo.Transparência – A transparência é um conceito da Física e é representada pelo vidro. No caso da comunicação no mercado de capitais há a necessidade de uma interação-que não é característica de objetos, como o vidro. A transparência neste caso está ligada à necessidade de ser sincero e franco nas ações, de levar as informações da empresa para o mercado e trazer a repercussão (“feedback”) para a companhia. Não é algo estático-como o vidro-, pois exige dinamismo e interação com os “stakeholders” (públicos estratégicos).Equidade – O mercado de capitais exige tratamento eqüitativo. São cada vez mais valorizadas as empresas que procuram oferecer benefícios aos minoritários próximos aos propiciados aos controladores nos processos de vendas de participação. As boas normas de conduta induzem a divulgação simultânea de informações a todos os investidores e a adoção de políticas de divulgação e negociação.Meritocracia - A comunicação deve privilegiar os porta-vozes com mais facilidade de comunicação. É cada vez mais freqüente a criação de Comitês de Divulgação nas companhias. Esses comitês são formados por especialistas multidisciplinares (administradores, advogados, financistas, publicitários, jornalistas, relações públicas, economistas, contadores, conselheiros independentes ...) que trazem visões diferenciadas e acompanham a correta execução das normas de divulgação, além de preparar manuais de conduta para situações de crise.Prestação de contas – Princípio básico para a empresa que tem compromisso de longo prazo com o mercado de capitais é a prestação de contas. Esse princípio proporciona correta avaliação em termos de menores juros pagos e maior volume captado até mesmo em operações de renda fixa, como no lançamento de debêntures e de fundos de recebíveis. Não basta entregar os demonstrativos financeiros em dia. É preciso querer se comunicar com o mercado.Organização – O processo de relacionamento com o mercado de capitais exige que as empresas procurem se profissionalizar. As boas práticas de Governança Corporativa – como –por exemplo- a separação da presidência do Conselho (que cuida da estratégia empresarial)- da Diretoria Executiva (que operacionaliza as ações) é cada vez mais valorizada pelo mercado.Sustentabilidade – Há 10 anos, as empresas em sua comunicação com o mercado valorizavam a divulgação apenas dos demonstrativos financeiros. Atualmente, os investidores exigem resultados positivos em pelo menos três contas (a chamada “triple bottom line”): rentabilidade, cuidados com o meio ambiente (planeta) e responsabilidade social (pessoas). Nos tempos modernos, a empresa que quer se perpetuar precisa ser lucrativa e preocupar-se em evitar passivos (até mesmo jurídicos) ambientais e sociais.
(*) Rodney Vergili é jornalista e diretor da agência Digital Assessoria Comunicação Integrada – www.digitalassessoria.com.br (digital@digitalassessoria.com.br).

quarta-feira, 19 de março de 2008

Artigo na Newsletter da Expomoney - Citação Digital Assessoria

http://www.expomoney.com.br/newsnova/materia.asp?rregn=156


Rodney Vergili é jornalista e economista e diretor da Digital Assessoria Comunicação Integrada

Ricardo Humberto Rocha - É professor doutor em Administração com concentração em Finanças pela Universidade de São Paulo (USP)


Ambos são autores do livro "Como esticar seu dinheiro" da Coleção Expo Money (Campus/Elsevier).


Como esticar seu dinheiro

(*) Ricardo Humberto Rocha e Rodney Vergili

Você já pensou como seria bom se o seu dinheiro durasse o suficiente para honrar todos os seus compromissos? Ou melhor, transformar o que recebe – mesmo que pouco- em uma quantia capaz de lhe proporcionar a independência financeira? Confira algumas dicas de como tornar isso possível.
Por Ricardo Humberto Rocha e Rodney VergiliO Plano Real a partir de 1994 trouxe estabilidade para economia brasileira. Os índices de inflação são baixos se comparados aos registrados nos 30 anos anteriores. Certamente você já deve ter ouvido uma conversa a esse respeito no trabalho, na faculdade e até mesmo nas festas de família. E, podemos apostar que na maioria das vezes sua reação diante desse papo deve ter sido: - Que coisa mais chata! Vamos mudar de assunto...Mas, quando chega a hora de discutir o aumento do seu salário, pagar suas despesas e suas compras, a coisa fica interessante. Será que não há um meio de combinar os dois assuntos? Será que esse papo de economia e finanças é sempre tão chato?O mundo das Finanças fica cada vez mais interessante quanto mais você aprende a respeito. É como diz o campeão de golfe Tiger Woods: “quanto mais eu treino, mais sorte eu tenho”. O universo da economia embora possa ainda ser desconhecido, quanto mais você souber sobre o assunto, mas fácil será administrar a sua vida.Vamos em frente!Que o dinheiro não cai do céu, isso todos nós já sabemos. O que nem todos sabem, e é uma boa notícia, é que existem formas de fazer com que o dinheiro dure mais tempo em nossas mãos, em vez de sair voando e acabar rapidinho. Quando estamos na adolescência, nossa fonte de renda mais importante, às vezes a única, é o dinheiro que recebemos de nossos familiares, a famosa mesada ou a “semanada”, em alguns casos.Agora a história é outra, trabalhamos, temos nosso rico dinheirinho obtido com nosso salário, portanto, é preciso aprender desde cedo a valorizar a importância do dinheiro. Afinal trabalhamos o mês todo para ganhá-lo, sendo assim aprender a administrá-lo da melhor maneira, poupando quando possível, deve ser uma prioridade nas nossas vidas. Nem gastador, nem pão-duro. O fundamental é ter equilíbrio e bom senso na hora de usar e de poupar, ser feliz lidando com sua grana.Como fazer esse dinheiro durar o tempo necessário? Melhor ainda: como fazer com que, depois desse período, ainda sobre um dinheirinho para você comprar o que quiser? E como dar o pulo do gato: transformar esse pouquinho recebido a cada mês em uma quantia substanciosa, que permita adquirir alguma coisa de maior valor como um carro ou passagens aéreas ou sua casa depois de um período?É justamente esse o nosso desafio. Para exercitar tanto seu lado consumista quanto seu lado poupador, tente fazer uma lista com os desejos que você tem no curto e no longo prazo. A melhor forma de conseguir organizar seu dinheiro e planejar suas compras é registrar tudo no papel.Anote o que você ganha e desconte os gastos que não podem ser economizados (os fixos). O restante será sua reserva, a quantia que você poderá mexer à vontade, da forma como achar melhor. Colocando no papel, fica mais fácil entender a importância de planejarmos nossa vida financeira para termos o dinheiro necessário para tudo o que se quer.O mercado oferece centenas de opções, algumas arriscadas, outras mais comportadas, outras ainda só para quem tem muito dinheiro. Um tipo de investimento para cada perfil, para cada idade, para cada bolso.Para as pessoas que começam a guardar dinheiro, uma boa pedida é a caderneta de poupança. Quem a usa? Desde bebês e crianças, cujos pais já começam a fazer uma economia pensando no futuro, até pessoas idosas, que não querem arriscar aquilo que acumularam durante toda a vida.A preferência acontece uma vez que a poupança oferece a mesma remuneração para todos os investidores, independente da quantidade de dinheiro que tenham. Ah, e para depositar seus recursos na caderneta de poupança os bancos não exigem que você tenha uma quantia alta de dinheiro.A poupança paga juros de 0,5% ao mês e também um tipo de correção, que é calculada pelo governo. É um investimento seguro, embora existam outros mais rentáveis, como os fundos de investimento, mas, para valer a pena investir em fundos, precisamos de uma quantidade maior de dinheiro. É um investimento indicado para pessoas que querem guardar dinheiro por curto período, sem esperar grandes rendimentos e sem correr riscos. É considerada um “porto seguro”.Para quem quer fazer o dinheiro render, ter um retorno maior do investimento, o ideal é aplicar em ações, clubes de investimento ou fundos, mas é importante lembrar que essas opções envolvem a possibilidade de ganhos e perdas. Quanto maior o retorno esperado, maior o risco envolvido.Para motivar você, lá vai um exemplo muito legal! Caso uma pessoa poupe RS 300,00 por mês durante 30 anos, considerando só os juros de 0,5 % ao mês, sem a correção monetária, terá acumulado uma bela grana, R$ 300.000,00. E aí vamos começar a poupar? Pode ser R$ 20, R$ 30, o importante é começar. Afinal com os avanços da medicina, você vai aproveitar sua vida talvez por um século, o tempo é seu amigo, vamos em frente!Boa Sorte e Sucesso nas Finanças!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Digital - Press Assessorship and Public Relations

Digital Assessoria is an Integrated Digital Network with performance in Financial. Institutional and stakeholders network relationship, engendering results which join merit to the clients.
Digital joins strategical intelligence to solution of communication and marketing matter, assuring efficient outcome on framing, scattering and protection of the institutional and marketing image next to different public.

Therefore, Digital keeps strategical partnerships that over and above offering technical back up, provides excellent relation cost x benefit for the clients.

Our services carry out since analysis and diagnostic of the company need in terms of communication and marketing until the development and production of materials which compound ruled actions to each one of the publics.


Our aptitudes

Undertaking Communication Strategical Consulting
Communication with the Financial Press
Intercom
Endomarketing
Intelligence of Marketing
Communication to Prevent and Managing Crises
Communication for Social Responsibility
Relationship with the Community
Public Relation Projects
Announcement Productions
Executives and Leaders Training



Consulting in Communication and Marketing


Digital owns a great number of consulting, communication and marketing expertise who analyze the company and diagnose its needs and opportunities, offering next, the most suitable advices. We Develop the Strategical Planning and we carry them into actions for better outcomes.


Communication with the Financial Press

The Press is fundamental in order that the images of the companies are suitably projected for the public opinion. Our expertises keep up the personnel contacts with the press colleagues, making our clients a required source. Many services on this particularities are being offered by us.

Creation, production and distribution of releases and journalistic topics;
Journalism in real time: elaboration of contents for internet and intranet;
Updating of entrepreneurial sites press room;
Press meeting (witnessing, by link conference or by TV on Internet) and meeting with strategical publics;
Meeting arrangement “one by one”;
Monitoring and Image Analysis from news published by press;
Judgement audit;
Clipping ;
Elaboration of speeches and articles for the spokesmen and contractor executives;
Media training;
Interviews and market research reports;
Follow-up ;
Mailing (journalist and investors contacts);
Photographical newspaper reports;
Teleconferences;
Divulgation and preparation of lectures for events.




INTELLIGENCE OF MARKETING
The best advantage we can have in a highly competitive world that changes rapidly is the aptness of speeding up a process and making an efficacious decision.
We keep a partnership with KMC – Knowledge Management Company – which we develop the following services;



Analysis and Sector trends;
Analysis of the competition;
Primary and secondary data acquisitions,


Entrepreneurial profiles;
Entrepreneurial diagnostic (which information of the market or competitors make them necessaries);
Planning of the Market intelligence area;
Aptitudes and abilities necessary for the team (professional profile);
Structure and Process of competitive Intelligence;
Planning, execution, follow up and monthly control of the activities

Criation and Production

Digital – together with its associates – create, develop and produce cooperatives, institutional and promotionals stuffs.

Catalogues, brochures, folders, posters, displays, logos, advertisements, etc;
Magazines, Newspapers, newsletters, electronics bulletins, celebratory books, Social and administrative reports, Institutional pamphlets, calendars, guided for internal and external public;
Annual report, On Line annual report, Trimestrial report;
Social report;
Communication campaign (Endomarketing): motivationals, Social responsibilities, Health, Security, Environment, Quality, Incentive, Participation in results;
Development of home pages, multimedia presentation, Video production.


EVENTS
From a good organization depends the success of any event. Digital – together with the associates – it is prepared to assist your business since the creation, development and coordination even the operational and logistic support.
Selection of the place, contraction of hotels, buffets, great halls, as well as management of the services, air and land shuttles, reception to the guests, production and assembly of back up materials – folders, identities, notepads, pens, souvenirs – and obtainment of necessary equipments are services we provide with the best condition of cost x benefits.

Meeting and lunch arrangements with journalists, Administration and strategical representative of the contractor all taking part.





Press interviews and Stakeholders meetings (strategical publics);
Arrangement and performance of workshops, seminaries, symposium, conferences, lectures;
Fairs, Exposition, Exhibitions;
Convention;
Event for product launch;
Week of qualities, Health, Security, Environment;
Commemorative Events;
Social, cultural and sportive event;
Open-house or Open-day.



Executives and Leaders Qualification Training

We make lectures, organize and manage seminaries and special training in order to develop entrepreneurial leaders regarding to communication with different publics.
For the Executives, we develop specific training for a relationship with the press (Media Training). For the leadership, the qualification in communication comes to suit their profile to the new demand of the market: a business manager, with a strategical vision, which appease a perfect understanding of each stakeholders need of their organization.



Associates






CLIENTS ATTENDED

Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial;
Abifer - Associação Brasileira da Indústria Ferroviária;
Aeamesp - Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô;





Anfir - Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários;
ANTF – Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários;
APIMEC SP - Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais
Associação Brasileira de E-Business;
Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários;
Atento;
Avon;
Azevedo Sette Advogados;
Bombardier Transportation;
EIF Engenharia
ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing Alphaville;
FINATEC – Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos – Brasília
FIPECAFI – Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras;
IBEF – Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo;
IBRI – Instituto Brasileiro de Relações com Investidores;
Ideiasnet;
Integral-Trust Consultoria
Lincx Serviços de Saúde;
Omni Financeira;
ProInvest;
Rede Pague Express – bilhete único;
Simefre - Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários
Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo;
Thomson Financial;
WEBTraffic Marketing Online.


Professionals - Team

Rodney Vergili – President
Graduated in journalism and economy – USP, He started his career at Diário do Comércio e Indústria (DCI) in 1973. From 1986 to 1997 He was Editor of Coluna Mercado Financeiro on Folha de S.Paulo. Then he went to Agência Estado, where he stayed until 2004, when he founded his own agency – The Digital Assessoria Comunicação Integrada.
He rendered services for magazines such as: Exame, Veja, Amanhã, América Economia and Bovespa. He stood out in programs such as: Roda Viva (TV Cultura) and Negócios e Companhia (Rádio CBN).




He received Columnist Award in 1998 and 1999 and Press Professional of 2002 by Abamec-SP.
He had his biography published on the book “Jornalistas Brasileiros: Quem é Quem no Jornalismo de Economia”, from publishing house MegaBrasil, in June of 2005.

Rosana Grant – Executive-Director

Journalist, with solid professional experience in big multinational and national companies like, Companhia Vale do Rio Doce, Citibank and Rede Globo acting in entrepreneurial network, Communication with the press, Social responsibility, Public relation and Marketing.
She started her career as a reporter at TV Globo, later acting as ,Chief of newspaper report and assistant editing of economy. She worked for 14 years at Citibank Brazil. Organized the Bank opening process next to press, turning into one of the main source of financial-economical area of the country.
She took over the position of Director of Communication with the press and Legal Affairs, being in charge of all activities of relationship Citigroup/Citibank Brazil with Brazilian and International Press. Performed an important role in managing of crisis and acted on its publishing, next to press, of the most meaningful events made by the Corporation.
Master degree in Communication and Marketing by Foundation Cásper Líbero, Post-graduated in Entrepreneurial communication – ESPM, Macro economy Brazil – FGV and Graduated in Journalism by FIAM.
Attended several courses of specialization abroad : Academie de Paris - SORBONNE; Universidad International de Andalucía – Espanha – Universidade de Coimbra - Portugal and Columbia University - New York.

Amauri Marchese – Sênior Consultant

Journalist and professional of Public Relation majored by Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, with several courses in specialization.
Ex-president, Instructor of Courses, permanent member of the jury of Aberje e collaborator of Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial.
For 17 years professor of Post-Graduation courses and MBA in Communication and Marketing from Superior school of Propaganda and Marketing and courses of Extension in Entrepreneurial communication and Promotional Marketing.
He’s been working for 2 years as a professor of University Petrobras.




Consultant in Communication and Marketing, trained on development of program and project in the area of cooperative communication and Institutional Marketing (with emphasis on internal public).
Professional experience for 33 years on the field above.
Many interviews, articles and chapters of written books . Two works in formation (one mentioning the topic Internal communication and another, Entrepreneurial events).


Digital Assessoria Comunicação Integrada digital@digitalassessoria.com.br http://www.digitalassessoria.com.br/